22/07/2017

Sessão Poema - Parte LXIII [“Um sonho de Pierrot e um beijo de Arlequim. ”]

Arte: Nudegrafia


Fomos carne.
Nos despedaçamos obstinadamente.
Nos consumimos até os ossos.
Desejos de útero latente.
Paixão que se mata na cama.
Rasgando lençóis.
Sentimentos vividos na pele.
Satisfaz o corpo.
Um deleite...
Um desfrute...
Um instante.
Ainda me excito só de lembrar.
Mas sua loucura foi mentira.
Sobressaiu a minha.
E você não suporta.
Não sou pedaço, meu bem.
Eu sou inteira.
E você não corre em minhas veias.
Mas habita meu corpo.
Como um Arlequim..
Que ama em noites de carnaval.

                    ***

E o que sinto por ele é calma.
Uma paixão sem marcas.
Que ganha vida em conversas descompromissadas.
Nos silêncios criativos.
No olhar dormindo.
Não almeja me escravizar na dor.
Ama-me...
Do corpo a loucura.
Não teme meus desencantos.
Meus defeitos, desesperos.
Meus risos altos e frouxos.
Os convites promíscuos.
Bebedeiras e torpor.
Me vê menina...
Chame-me de anjo.
Mesmo quando ardo no inferno do seu corpo.
E é sempre olho no olho.
E até na distância se faz presente.
Ele é a calmaria diante do tormento do meu ser.
O repouso da minha mente.
Meu Pierrot
E eu?
Sou Colombina.
Ardente...
Inflamada de amor e tesão.
Desejando avidamente.
“Um sonho de Pierrot e um beijo de Arlequim. ”

Tais Medeiros.

Nenhum comentário: