15/07/2017

- Quer que eu me apaixone? Então me dê mais conversas boas, mais sorrisos frouxos, mais fodas despudoradas, mais doses, mais sacanagem. Me dê abraços fortes, beijos, carinhos, cumplicidade. Me dê lealdade, liberdade. Me queira livre. E que dentro dessa liberdade eu me ache, me prenda por que querer, não por precisar. Me dê você do jeito que é, sem mascarás. Consegue? [TEXTICULO 73]

- Como faço para você se apaixonar? 

Ele me perguntou com os olhos embriagados, fumando nosso último cigarro. Eu não espero tal pergunta, afinal, eu me apaixono todos dias, sou um ser apaixonado. Me assusta saber que alguém pense que exista dificuldades em chegar até a mim. Não sou de mistérios ou poses, mas me parece que não deixo nada claro no escuro das mentes de quem se aproxima. Era nosso segundo ou terceiro encontro, não lembro bem, todos nossos encontros têm gosto de primeira vez, isso é bom, pois acaba não tendo data de validade.

Seus olhos pousaram em mim novamente, insistindo em uma receita. Parece que hoje tudo tem que ter uma receita, um tutorial o velho manual de instrução, tempos modernos. Ninguém se arrisca.

- Como faz para se apaixonar? 


As perguntas pareciam fáceis, mas nada saia da minha boca, não dá para contextualizar paixão, amor. Eu ao menos nunca consegui. Escrevo desesperadamente para tentar alcançar o mínimo de entendimento sobre tudo isso que acontece internamente. Não consigo aceitar que essas relações foram criadas apenas para manter as instituições - Família, Estado, Propriedade Privada. Tem que ser coisa de alma, que transcenda algo além do que já temos do que já conhecemos. Por favor, não mate esses meus pensamentos.

Eu não neguei uma receita a ele, já que lhe interessava consumir meus sentimentos - não sei dizer se era uma vontade real ou simplesmente fogo no cú e você sabe, fogo no cú passa. Mas eu não temo essas decepções, pago para ver quanto vou ganhar ou perder, assumo a aposta e eu nunca saio totalmente lisa desses fogos no cú para o lado negro da força que as pessoas têm. Então terminado o último trago do nosso último cigarro, matando a dose derradeira de nosso último conhaque, eu lhe disse, com as vistas turvas, mais de semblante sério.

- Quer que eu me apaixone? Então me dê mais conversas boas, mais sorrisos frouxos, mais fodas despudoradas, mais doses, mais sacanagem. Me dê abraços fortes, beijos, carinhos, cumplicidade. Me dê lealdade, liberdade. Me queira livre. E que dentro dessa liberdade eu me ache, me prenda por querer, não por precisar. Me dê você do jeito que é, sem mascarás. Consegue? Se conseguir já nos imagino. Eu buscando as crianças no inglês e você terminando as almôndegas para o jantar. 

Tais Medeiros. 



Estou pensando em você
Quero lhe ver
Mas nesse horário você deve estar
Pegando os filhotes no colégio
Depois chegar em casa
Ver o resto de tudo
E quando vem o silêncio
Fumar unzinho e ouvir Coltrane
Não faço mais isso mas entendo muito bem
Adoro os teus cabelos
Adoro a tua voz
Adoro teu estilo
Adoro tua paz de espírito

Nenhum comentário: