31/05/2017

Sessão Poema - Parte LIV [Do destoar ao enjoo do ser]

Arte: Thomas Saliot

As nossas diferenças gritam.
Eu que antes nada via
Percebo o quanto destoo do seu mundo.
Eu sempre destoo.
Sou novidade passageira.
Sacio a fome da imaginação.
Com a velocidade da luz.
Transbordo tanto que sobro.
E quando termino de escoar.
Seu enjoo ganha forma.
E eu não sirvo mais.
Volto a ser apenas uma foto.
Escondida a trás do que realmente importa.
Em uma moldura velha.
Não é ser segundo lugar...
       é não ter lugar nenhum.

Sempre olhares tristes para mim.
Perturbados...
Nunca vem algo que nos inflame.
Que nos alimenta.
De concreto, apenas o murro.
Que se levanta diante de nós.
Talvez eu não mereça mesmo o seu melhor.
Talvez eu não mereça nada.
um sorriso...
uma abraço...
Muito menos essa oferta cari(dosa) de carinho.
Que me reserva para alimentar seu ego.
A gente cria desculpa para não admitir...
                                         que falhamos.
Tentando ignorar que joguei para perder
E que nunca houve paixão aqui.


Tais Medeiros

Nenhum comentário: