11/02/2017

Não fique bravo, meu bem. Não quero brigar, mas se isso é necessário para você exorcizar seus demônios. Brigaremos do meu jeito. Vamos para o quarto lhe darei uma dose de minha fúria de viver. Briga comigo tem que ter atrito físico, escolha - na minha cama ou na sua? [TEXTICULO 63]



Nossa história poderia virar filme. Uma tragicomédia romântica, eu escreveria o roteiro sobre nós, não omitiria nada. Você sabe disso, já escrevo sobre nós há algum tempo. As pessoas iam adorar nossa tragicomédia, iam se envolver e torcer pelo tão esperado final feliz... Eu também.

Tivemos pouco tempo de vida útil, mas não tem como negar que vivemos tudo, poderia até ser uma minissérie. Foram tantas loucuras tantos carinhos e gozos demasiados uma mistura de romance policial/passional e um drama psicológico com toques de comédia regado aos poemas de Bukowski. Nós somos assim, uma mistura linda de amor e dor. Machucamos-nos para nos curamos. Houve cenas tristes também, duvida medo escândalos, brigas em bares e palavras mal ditas, porem a reconciliação sempre foi explosão de prazer. Dormindo ao som Creedence e acordando Alabama Shakes. Até brigar se torna um bom negócio com você.

O triste é que se depender de você não teremos um final feliz. Vamos frustra os nossos telespectadores seriamos alvos de brutas criticas. Tanta confusão, tantos gritos, tantos beijos, choros e abraços para nada? Já dizia o poeta – “As mais belas histórias tem começo, medo e sim.” Não quero que sejamos diferentes nisso.

Mas não nos importamos com criticas, fazemos demais. Autocrítica é foda. A gente pensa no que disse e no que não disse, pensa no que fez e no que não fez e nas coisas que podíamos ter evitado. Achamos-nos pequenos, limitados e entramos em uma crise sem tamanho. E pensa: “Tudo que eu toco eu estrago, sou um pobre diabo”. E o espírito escurece e vem todos os problemas, não sabemos lidar com as novas e muito menos com as antigas situações. Então sente a necessidade de isolar-se, por o mundo de quarentena longe de você, pensando ser o mal e que sozinho excluso o mundo viverá em paz. Pretensão a nossa, não? Achar que somos o centro de algo nessa vastidão de universos, mesmo que seja o da perturbação.

Esquecemos que todos têm problemas e fugir, evita-los, entorpece não adianta de nada. Parece que é nesse momento de foda-se ligado que eles transam entre si e multiplicam, piorando as ressacas dos dias. O sol soca nossa cara e não acalentar.

Sabe? Essa vida não é boa, mas é a vida que temos e devemos ter coragem de vive-la da melhor forma até nos seus péssimos momentos. Não estou sendo positiva otimista e blá blá blá apenas sei que está é a melhor forma. Você tem o necessário para viver ou existir. Tem um trabalho, família, amigos, lar, saúde, oxigênio e um amor (apesar de me negar... Namoro-te silenciosamente.) é sua escolha, para tudo existe escolha até a errada não deixa de ser uma escolha.

Temos que aprender a dar valor as coisas que pensamos serem pequenas mais é de uma grandiosidade inexplicável, como te ver dormi se tornou valoroso para mim. Não gaste energia amor com coisas triviais use tudo que tens para ter combustível para ganhar o mundo e ser o que almeja ser e pular qualquer merda de obstáculo que apareça no caminho. Não se gaste em noites miseráveis de torpor.

Eu quero terminar nosso roteiro e com um final feliz mesmo que eu não esteja nele. Quero te coroar herói que ganhou a batalha contra seus demônios e dominou a si. Ter o pé no chão não é fácil, melhor ter a cabeça na lua, mas existem coisas que merecem momentos de nossa limitada sanidade. Os erros a de servir para alguma coisa nessa merda.

 Chapamos para celebrar e não para esquecer a loucura de se pertencer. Enfrentamos a vida de cara limpa e gozamos nosso desequilíbrio equilibrado. Não fique bravo, meu bem. Não quero brigar, mas se isso é necessário para você exorcizar seus demônios. Brigaremos do meu jeito. Vamos para o quarto lhe darei uma dose de minha fúria de viver. Briga comigo tem que ter atrito físico, escolha - na minha cama ou na sua?


Tais Medeiros.

Não me entrego sem lutar
Tenho, ainda, coração
Não aprendi a me render
Que caia o inimigo então
Tudo passa, tudo passará
E nossa história não estará pelo avesso
Assim, sem final feliz
Teremos coisas bonitas pra contar
E até lá, vamos viver
Temos muito ainda por fazer
Não olhe pra trás
Apenas começamos
O mundo começa agora
Apenas começamos





Nenhum comentário: