17/01/2017

Os sentimentos foram cruelmente banalizados. Todo mundo achando careta falar de amor o gostar é sinônimo de fraqueza - ser trouxa - o desapego é a salvação da humanidade. Prefiro ser trouxa e sentir tudo que está latente aqui dentro, tudo que acredito e sou, não quero vagar sem marcas e fria por ruas cinzas. Essa de desapegar das pessoas apenas nos deixou mais tecnológicos e menos amados. O mundo fica entediante nada satisfaz. As conversas acontecem por telas nada é dito frente a frente. A necessidade de um encontro físico ainda existe por que existe a necessidade animal de acasalar. Glória! Espero que a gente nunca perca a vontade de trepar. [TEXTICULO 58]



Esses dias tinha muito barulho aqui dentro. Pensamentos e mais pensamentos e nada que pudesse ser utilizado. Ser humano complicadinho nós, não? Esperamos reciprocidade falada não bastam ações tem que ter um contrato vitalício para lhe dar segurança. O cartão verde para poder seguir nesses caminhos desconhecidos que são os corações. Tive um sinal, não sei se entendi direito, quase sempre entendo tudo errado, mas resolvi arriscar, afinal não tenho medo de machucados meu sangue é Merthiolate, vermelho e arde como o de antigamente, então me curo pode levar alguns dias, semanas, anos ou até mesmo horas, um dia a gente se cura. O que vale é o gosto, essa sensação única de se permitir vivenciar cada momento. Em uma dessas conversas com os poucos amigos que sobreviveram a 2016 percebi que esse é o mal do século ”Relacionar-se”. O mundo está divido entre pessoas magoadas, descrentes e os metidos a desapegados. Na roda de conversa dos utópicos foi dito:

“Eu não peço muito, se existe um pingo de vontade, apenas peço para tentar.”

Está frase foi dita por um amigo que começará um relacionamento, estava às avessas por essa mulher, ela sentia medo de se envolver de se machucar mais uma vez. Eu entendo ele é concordo. Existem pessoas que conseguiram atingir o autoconhecimento, fizeram da solidão sua companheira, porem parece que o universo tem sim um papel para cada um - mesmo se for de trouxa. Ele envia para sua vida uma pessoa que lhe desestrutura. Por mais maduro e equilibrado que você seja ou aparenta ser você sente que precisa daquele turbilhão de sentimentos que estava adormecido, precisa se entregar aquela magia ou macumba que lhe foi enviada. Foda! Dá mesma forma que têm pessoas assim entregues aos gostos da vida têm aqueles que possuem cautela - cautela de nascença ou de trauma.

Tem muita gente traumatizada e magoada por ai não sinta orgulho de ser assim. Você não está se protegendo está se privando de acontecimentos, não vou mentir, podem ser acontecimentos bons ou ruins. Mas as coisas só acontecem com quem está vivo, não é? As pessoas devem aprender a dar chances, tanto para o outro como para elas. Já que não está fazendo mal por que não investir? Investir tempo, atenção, palavras e ações. Somos todos vacinados, caímos e levantamos todos os dias, então por que temer a entrega?

Sabemos que nada é perfeito, que nada é pra sempre e que criar expectativas no final dá merda. Porra! Então como é que se vive? Estamos sempre com expectativas mesmo pensando não ter. Sempre planejamos algo, criamos algo, esperamos algo, vivemos...

Os sentimentos foram cruelmente banalizados. Todo mundo achando careta falar de amor o gostar é sinônimo de fraqueza - ser trouxa - o desapego é a salvação da humanidade. Prefiro ser trouxa e sentir tudo que está latente aqui dentro, tudo que acredito e sou, não quero vagar sem marcas e fria por ruas cinzas. Essa de desapegar das pessoas apenas nos deixou mais tecnológicos e menos amados. O mundo fica entediante nada satisfaz. As conversas acontecem por telas nada é dito frente a frente. A necessidade de um encontro físico ainda existe por que existe a necessidade animal de acasalar. Glória! Espero que a gente nunca perca a vontade de trepar.

Se um dia esse dia chegar, morremos exilados e as pessoas só vão saber da sua morte por que você parou de postar. Postagens em redes sociais são isso. Gritos de que estou vivo e estou aqui “Ama-me online” *acho que esse texto é uma delas...

A gente só complica...

Falo essa frase todos os dias como se fosse um mantra. Fico nessa brisa de que a gente só precisa de autonomia, saúde, paz interior e um amor tarado por nós.

Tais Medeiros.

Eu quero um amor que corra como o vento
Traga beijos e desejos
Um amor que queime o coração
Sem posse, propriedade ou pudor
Que me pegue pelas mãos
E me leve pra longe
Pra sentir os pés na areia e o mar
E deitar olhando o céu piscar os olhos
Dizendo pra não ter medo
Temos tudo o que faz respirar
Hoje o resto não importa.

Nenhum comentário: