04/01/2017

Das Paixões Relâmpagos & Amores Enrustidos [TEXTICULO 56]

Eu continuo gastado os dias escrevendo sobre paixões relâmpagos. Aquele tipo de coisa que vem tirando nosso ar, faz você perder as estribeiras, tornando-se adolescente, não sabe como agir e muito menos o que falar. Vira "um animal sentimental. Me apego facilmente ao que desperta o meu desejo"...  Essas são paixões relâmpagos que vem anunciando os trovões de chuvas de amores enrustidos.

Foda isso... Você vive tudo então pouco tempo, da paixão ao ódio, dos risos aos choros. Alguém passa na sua vida, lhe vira do avesso te rouba à paz, mas todos são importantes, mesmo que lhe façam algum mal, eles te fazem ter cede por mudança.

Às pessoas nos evoluem com dor ou  amor. Eu evoluir muita gente, infelizmente não teve quem me evoluísse, quem acreditasse que eu era possível, apenas sugavam minhas forças, minhas palavras e sanidade. Mas nessa de paixão relâmpago que não dura mais que as ressacas dos dias, sempre fecunda um amor enrustido.

Amores enrustidos são os estragos que as paixões relâmpagos deixam após a tempestade. Sentimentos que ficam em quem realmente se entregou, em quem se permitiu até mesmo errar tentando acertar. Essa é minha teoria comprovada na carne.

Não gosto de amores enrustidos, as pessoas se humilham diante de quem não quer entender. Não alimenta, traz apenas vazio, angustia. Não precisamos disso, ninguém precisa, seja ele o senhor da razão incapaz de errar ou um miserável saco de vacilo.

Precisamos de paixão. Viver com alguém que você goste, e gostar com o gosto das paixões relâmpagos sempre, sem medo de fazer morada. Devíamos está sempre apaixonado e não enrustido. É difícil, ás pessoas vivem sensíveis, cheias de traumas e culpa. Sentam no seu orgulho e deixa tudo passar. Às vezes o que aconteceu veio para fortalecer laços e não para destroça-los. Desistir é fácil, quero ver lutar.

Eu não tenho vergonha de dizer... Não cultivo orgulho, mágoa ou traumas. Simplesmente vou, recebo o que tem que vim, me arranho, me atrapalho, me culpo e amo, perdoo a todos. Estou disposta a pegar na mão, abraçar e dizer: Não se preocupe, estamos tentando.

Não adianta muito entrar em exílio, ficar reclusa na caverna. Sem ver ninguém, sem ter ninguém, pensamentos mais condenam do que ajudam, o que muda nossa situação são ás ações. Agimos mal? Então mudamos. Agimos bem? Aperfeiçoamos.

Melhor parar de lamentar palavras ditas sem pensar e sem vontade, lamentar ações imperfeitas suas e dos outros. Vamos mudar e não desistir de pessoas, desejos que nos são raros. Hoje! Estou desistindo disso... Dessa lamentação, apelo por aceitação e por desculpa. Vou deixar minhas escritas na mesa ao lado do cigarro a queimar, da garrafa fechada. Vou para mundo, derrubar muros, abraçar pessoas, sentir gostos, meu gosto. Ter paixões relâmpagos por mim todos os dias. Vem! Vamos mudar o mundo .

Tais Medeiros.

Pra você restou a vida que escolheu
mas para mim só a voz que Deus me deu
Mas se eu valho mais
que outro rapaz, que este romance
Dê ao nosso amor uma segunda chance



Nenhum comentário: