12/12/2016

Sou mais que esses copos, essas garrafas e cinzeiros. Sou mais que esse sexo embriagado, desesperado e esquecido. Sou mais que essa brasa do seu cigarro que queima e morre. Eu queimo e renasço todo dia, toda hora, neste momento, amor, eu queimo. [TEXTICULO 51]

Você não me conhece...
Não sabe quem sou isso não é um problema. Problema é que, você não tem o mínimo interesse em saber.
Pensa que tudo que vem de mim se remete a carne, que tudo que sinto se remete a sexo, a loucura dos poetas boêmios ou pessimistas.
Sou um romântico de carteira assinada e coração remendado. Dom Quixote que vê nos moinhos da vida, gigantes e não se acovarda diante deles. Luta contra eles motivado por amor mesmo diante de tanta indiferença.

Mas meu caro...
Quero lhe confessar... Enlouqueço com espíritos livres, apaixonados, que não temem a entrega de conhecer o desconhecido. Deslumbra-me almas que se completam para transbordarem juntas. Sabe? Eu me apaixono todo dia, por sorrisos sinceros, abraços quentes por reciprocidade.
Aprecio companhias, conversas longas que começam em um simples observar o tempo e termina em histórias que ensinam, sempre temos algo para ensinar e aprender.

Gosto do gostar de graça e desejos únicos, planejar futuro ou não planejar nada, apenas viver. Amo o silêncio dos olhares que falam. Infelizmente o seu não me diz mais nada. Triste! Então pouco tempo já sinto o vazio do descaso, o vazio de almas. De nada me vale uma cama quente e dias gélidos, sendo que uma mensagem antes, já os acalentava. Não é necessário jurar amor, fidelidade, mas é necessário estar, querer ser inteiro não metade. Lealdade vale mais que juras de amor barato, vontade vale mais. 

Vontade de estar ao meu lado, dormi abraçados cuidando um do outro, mesmo quando a gente acorda sentindo que não é uma boa companhia para ninguém. Não quero estar presente apenas no verão, no carnaval, estar presente somente quando os dias forem farras e belos. Quero seus invernos também, quando há escuridão teima em ficar. Quero está com os ouvidos atentos e os braços abertos.

Não, você não me conhece...
Sou mais que esses copos, essas garrafas e cinzeiros. Sou mais que esse sexo embriagado, desesperado e esquecido. Sou mais que essa brasa do seu cigarro que queima e morre. Eu queimo e renasço todo dia, toda hora, neste momento, amor, eu queimo. Queimo para não deixar às coisas se repetirem e renasço para ser melhor que ontem.
Você não me conhece e talvez não deva mesmo.

Tais Medeiros

Vai, se você precisa ir
Não quero mais brigar esta noite
Nossas acusações infantis
E palavras mordazes que machucam tanto
Não vão levar a nada, como sempre
Vai, clareia um pouco a cabeça
Já que você não quer conversar.
Já brigamos tanto
Mas não vale a pena
Vou ficar aqui, com um bom livro ou com a TV
Sei que existe alguma coisa incomodando você
Meu amor, cuidado na estrada
E quando você voltar
Tranque o portão
Feche as janelas
Apague a luz
e saiba que te amo...

Nenhum comentário: