08/12/2016

Sessão poema - Parte XXVIII [Das culpas que cansam]

Arte: Thomas Saliot


Não venha cagar regras para mim.

Melhor, não cague regras, para ninguém.

Aprendi que muitas coisas são ditas.

(Mal)ditas ...

E quando algo dá errado...

A culpa é da boca que fala.

Nunca do ouvido que ouve...

Deturpado.

Mas a gente colhe o que planta, não é?

Colheremos!

Descobri cedo...

Conselhos foram feitos para não serem seguidos.

Esqueça os meus...

Não me peça opinião, ponto de vista.

Até mesmo por que, sou estrábica.

Vejo tudo com olhos semi tortos.

Sento em meu silêncio.

Ciente que nada sei.

E que nada vou saber.

Todo dia mudo...

Não me leve a mal.

Me leve ao bar.



Tais Medeiros

Nenhum comentário: