25/11/2016

Sessão poema - Parte XXVII [Obscena senhora]

Arte: Apollonia Saintclair


Eu gosto assim...
Quando você me beija entre minhas pernas.
Aquele beijo úmido.
Onde o tesão e a saliva se encontram.
Combinação perfeita.
E não importa o quando eu implore.
Você não me penetra...
Me chupa até eu derreter em sua boca.
Beba-me devagar.
Que a cada beijo de língua...
                                           salivo, deságuo...

Gemendo por mais.
Às pernas já não me pertencem.
Trabalham ao seu favor.
Prendendo sua cabeça em Vênus.
O quadril se rebela...
Salta em sua cara na tentativa de te engolir.
Entra...
De pau duro, língua mole.
No lugar onde o amor nasce.
Onde a sanidade morre.
E a decência não existe.
Aqui é sempre quente e úmido.
Desejo profano.
Obscena senhora.
De quatro, você vem para dentro de mim.
Enfiando fundo todo seu desejo.
Me perco entre suas mãos...
Não sei dizer o que sou.
Nesta cama deliciosamente imunda...
                   peitos, barriga, virilha, pernas, bunda.
Virei você...
Você em mim.
E esse tesão que treme.
Esse gozar que devora.
Por horas...
Por dias...
Vem...
Temos muito que profanar aqui.
Reproduzindo os mesmos sons.
Canonizar a luxuria
Em cânticos de quem gosta de pecar.

Tais Medeiros.

Nenhum comentário: