20/11/2016

Cenas curtas: MONOLOUCO (Monólogo das receitas azuis)



Pesquisei no Google: Como invocar o demônio da encruzilhada. Naquele desespero barato de quem fraqueja desejando fazer um pacto, mas com a certeza que vai ser cumprido. Sinto falta disso... Cumprimento. Hoje ás pessoas não cumprem nada que prometem a si quem dirá ao outro. Ao menos com o demônio da encruzilhada sei que esta falta uma hora será suprida.

O que eu pediria? Dinheiro, sucesso, mais anos de vida? A paz mundial? Fico pensando, será que se fizermos pedidos bons que envolvem o coletivo o demônio da encruzilhada teria compaixão? Podia acontecer como no filme Constantine. Deus se compadece do sacrifício de minha alma pela humanidade e me poupa a entrega ao demônio.

Confesso que o pacto não foi minha primeira opção, pensei em uma macumba, nunca frequentei e assumo que sou completamente ignorante nesses papos de religião, não manjo nada de nenhuma. São tantas e cada uma com seu deus e suas peculiaridades, mas gosto dos tambores, tambores em geral. Tambor tem uma força, parece que a cada toque sua alma pulsa, vira, mexe, corre e dança dentro do seu corpo retalhado pela vida.

Porém dizem que na macumba tudo que você faz volta três vezes para você, então, se eu fizer macumba para as pessoas pedindo coisas boas elas voltaram para mim? Foi esse o pensamento que tive em minha terceira fase de desespero.

O desespero egoísta desejando que alguma coisa nessa vida, nesses trinta anos desse certo, seria capaz de fazer chover macumba. Para fulano saúde em abundancia, para sicrano um grande amor e muita paz, para beltrano sucesso e dinheiro para todo mundo discernimento, coragem e respeito para com as coisas, com as pessoas, com a natureza para com a vida. Ai Shazammmmmm!!! Tudo voltava para mim.

Não sei por que o espanto. Já deixei explicado que é meu desespero egoísta, não pense que sou um ser iluminado querendo vender a alma para salvar o mundo, fazer o bem, já passei dessa fase não há mais tempo. O foco é testar as possibilidades. Fazer o bem para receber o bem.

Sei que em algum canto dessas religiões tem essa frase: “Fazer o bem sem olhar a quem”. Mas hoje quero olhar a QUEM. EU QUERO SER O QUEM. Juro tentei o modo que dizem ser o certo só que ás vezes, nosso bem não chega em tempo hábil. Na grande maioria das vezes saímos desse mundo sem prova-lo. Apenas uma vez... Queria uma vez, uma vezinha saborear o doce sabor da vitoria do bem.

Tive um sonho... E nesse sonho eu morria um dia depois do meu aniversário. Meu corpo em uma maca e um cara me dissecando querendo saber a causa da morte. Enquanto meu corpo estava em um quarto eu estava na sala de espera com a minha família... Esperando...

O estranho é que eu estava viva lá, conversando com eles, eles me viam me tocavam e eu não entendia o que estávamos fazendo naquele hospital ate a hora que o médico entrou e disse que eu tinha ido a óbito. A causa da morte? Overdose de ansiedade, desespero, pensamentos, desamor, bipolaridade, lealdade, tristeza, companheirismo, sonho, insegurança, paranoia, solidão, álcool, cocaína a porra toda...

Todos me olharam com o olhar de condenação. Eu não sabia que estava proibido morrer na minha família, para falar a verdade eu não queria morrer, eu não acreditava nisso. A cada coisa que o médico apontava que tinha me matado minha mãe virava pra mim, fazia aquela expressão que as mães fazem quando vêm os filhos aprontando. Não querem meter a mão na cara da criança na frente de estranhos. Eu via nos seus olhos o famoso “Quando chegar em casa a gente conversa” vulgo surra na certa. Mas não me assustei... Merda! Eu estava morta o que podia doer mais que isso?

Porra, logo agora que eu sentia que as coisas iam ficar bem... A vida seria gostosa. Eu tinha encontrado um amor, encontrado paz de espírito, equilíbrio, pureza e prosperidade na vida. Eu vivia o bem que tanto busquei passar ao próximo e do nada POW! Morri. É ai que você entende o significado da frase “A melhora da morte”,

Foi a partir desse sonho que comecei a pensar. Não tenho tempo de esperar o tempo para colher às coisas boas que plantei preciso antecipar. Então me vi pesquisando macumba, pacto qualquer coisa que me trouxesse o bem rápido. Não posso mais esperar, não podemos. A morte está sempre ali na frente, eu sinto o cheiro e têm vezes doutor que eu a vejo...

Pare de me julgar. Já disse acordei no auge do desespero e estou na fase egoísta de querer pra mim por mim é crime isso? Você acredita piamente nessa de que as pessoas fazem coisas sem esperar nada em troca? Todo mundo espera, não seja hipócrita, mas existem pessoas como eu acostumadas a esperar e cientes que não receberam nada. O foda é que tem dia que a gente acorda com a cabeça um trevo cansado de tanto blá blá blá, tanto discurso, tanta desatenção, mentiras, tantos remédios e a vadia da falta de afeto. Esses dias são perigosos doutor.

O dia que a gente acorda com vontade de processar Deus, espancar o diabo, matar a vida. O dia que você pensando... Eu mereço mais que essa estranha realidade. Eu não mereço sua falta de amor, seu desrespeito, seu egoísmo, sua agressão, seus demônios, suas guerras, sua insensibilidade, sua ganância, sua hipocrisia essa odiosa natureza humana de apenas ganhar. Eu não mereço mais essas provações. Eu não choro mais a dor do mundo.

Tais Medeiros




Nenhum comentário: