25/11/2016

Sessão poema - Parte XXVII [Obscena senhora]

Arte: Apollonia Saintclair


Eu gosto assim...
Quando você me beija entre minhas pernas.
Aquele beijo úmido.
Onde o tesão e a saliva se encontram.
Combinação perfeita.
E não importa o quando eu implore.
Você não me penetra...
Me chupa até eu derreter em sua boca.
Beba-me devagar.
Que a cada beijo de língua...
                                           salivo, deságuo...

Gemendo por mais.
Às pernas já não me pertencem.
Trabalham ao seu favor.
Prendendo sua cabeça em Vênus.
O quadril se rebela...
Salta em sua cara na tentativa de te engolir.
Entra...
De pau duro, língua mole.
No lugar onde o amor nasce.
Onde a sanidade morre.
E a decência não existe.
Aqui é sempre quente e úmido.
Desejo profano.
Obscena senhora.
De quatro, você vem para dentro de mim.
Enfiando fundo todo seu desejo.
Me perco entre suas mãos...
Não sei dizer o que sou.
Nesta cama deliciosamente imunda...
                   peitos, barriga, virilha, pernas, bunda.
Virei você...
Você em mim.
E esse tesão que treme.
Esse gozar que devora.
Por horas...
Por dias...
Vem...
Temos muito que profanar aqui.
Reproduzindo os mesmos sons.
Canonizar a luxuria
Em cânticos de quem gosta de pecar.

Tais Medeiros.

20/11/2016

Cenas curtas: MONOLOUCO (Monólogo das receitas azuis)



Pesquisei no Google: Como invocar o demônio da encruzilhada. Naquele desespero barato de quem fraqueja desejando fazer um pacto, mas com a certeza que vai ser cumprido. Sinto falta disso... Cumprimento. Hoje ás pessoas não cumprem nada que prometem a si quem dirá ao outro. Ao menos com o demônio da encruzilhada sei que esta falta uma hora será suprida.

O que eu pediria? Dinheiro, sucesso, mais anos de vida? A paz mundial? Fico pensando, será que se fizermos pedidos bons que envolvem o coletivo o demônio da encruzilhada teria compaixão? Podia acontecer como no filme Constantine. Deus se compadece do sacrifício de minha alma pela humanidade e me poupa a entrega ao demônio.

Confesso que o pacto não foi minha primeira opção, pensei em uma macumba, nunca frequentei e assumo que sou completamente ignorante nesses papos de religião, não manjo nada de nenhuma. São tantas e cada uma com seu deus e suas peculiaridades, mas gosto dos tambores, tambores em geral. Tambor tem uma força, parece que a cada toque sua alma pulsa, vira, mexe, corre e dança dentro do seu corpo retalhado pela vida.

Porém dizem que na macumba tudo que você faz volta três vezes para você, então, se eu fizer macumba para as pessoas pedindo coisas boas elas voltaram para mim? Foi esse o pensamento que tive em minha terceira fase de desespero.

O desespero egoísta desejando que alguma coisa nessa vida, nesses trinta anos desse certo, seria capaz de fazer chover macumba. Para fulano saúde em abundancia, para sicrano um grande amor e muita paz, para beltrano sucesso e dinheiro para todo mundo discernimento, coragem e respeito para com as coisas, com as pessoas, com a natureza para com a vida. Ai Shazammmmmm!!! Tudo voltava para mim.

Não sei por que o espanto. Já deixei explicado que é meu desespero egoísta, não pense que sou um ser iluminado querendo vender a alma para salvar o mundo, fazer o bem, já passei dessa fase não há mais tempo. O foco é testar as possibilidades. Fazer o bem para receber o bem.

Sei que em algum canto dessas religiões tem essa frase: “Fazer o bem sem olhar a quem”. Mas hoje quero olhar a QUEM. EU QUERO SER O QUEM. Juro tentei o modo que dizem ser o certo só que ás vezes, nosso bem não chega em tempo hábil. Na grande maioria das vezes saímos desse mundo sem prova-lo. Apenas uma vez... Queria uma vez, uma vezinha saborear o doce sabor da vitoria do bem.

Tive um sonho... E nesse sonho eu morria um dia depois do meu aniversário. Meu corpo em uma maca e um cara me dissecando querendo saber a causa da morte. Enquanto meu corpo estava em um quarto eu estava na sala de espera com a minha família... Esperando...

O estranho é que eu estava viva lá, conversando com eles, eles me viam me tocavam e eu não entendia o que estávamos fazendo naquele hospital ate a hora que o médico entrou e disse que eu tinha ido a óbito. A causa da morte? Overdose de ansiedade, desespero, pensamentos, desamor, bipolaridade, lealdade, tristeza, companheirismo, sonho, insegurança, paranoia, solidão, álcool, cocaína a porra toda...

Todos me olharam com o olhar de condenação. Eu não sabia que estava proibido morrer na minha família, para falar a verdade eu não queria morrer, eu não acreditava nisso. A cada coisa que o médico apontava que tinha me matado minha mãe virava pra mim, fazia aquela expressão que as mães fazem quando vêm os filhos aprontando. Não querem meter a mão na cara da criança na frente de estranhos. Eu via nos seus olhos o famoso “Quando chegar em casa a gente conversa” vulgo surra na certa. Mas não me assustei... Merda! Eu estava morta o que podia doer mais que isso?

Porra, logo agora que eu sentia que as coisas iam ficar bem... A vida seria gostosa. Eu tinha encontrado um amor, encontrado paz de espírito, equilíbrio, pureza e prosperidade na vida. Eu vivia o bem que tanto busquei passar ao próximo e do nada POW! Morri. É ai que você entende o significado da frase “A melhora da morte”,

Foi a partir desse sonho que comecei a pensar. Não tenho tempo de esperar o tempo para colher às coisas boas que plantei preciso antecipar. Então me vi pesquisando macumba, pacto qualquer coisa que me trouxesse o bem rápido. Não posso mais esperar, não podemos. A morte está sempre ali na frente, eu sinto o cheiro e têm vezes doutor que eu a vejo...

Pare de me julgar. Já disse acordei no auge do desespero e estou na fase egoísta de querer pra mim por mim é crime isso? Você acredita piamente nessa de que as pessoas fazem coisas sem esperar nada em troca? Todo mundo espera, não seja hipócrita, mas existem pessoas como eu acostumadas a esperar e cientes que não receberam nada. O foda é que tem dia que a gente acorda com a cabeça um trevo cansado de tanto blá blá blá, tanto discurso, tanta desatenção, mentiras, tantos remédios e a vadia da falta de afeto. Esses dias são perigosos doutor.

O dia que a gente acorda com vontade de processar Deus, espancar o diabo, matar a vida. O dia que você pensando... Eu mereço mais que essa estranha realidade. Eu não mereço sua falta de amor, seu desrespeito, seu egoísmo, sua agressão, seus demônios, suas guerras, sua insensibilidade, sua ganância, sua hipocrisia essa odiosa natureza humana de apenas ganhar. Eu não mereço mais essas provações. Eu não choro mais a dor do mundo.

Tais Medeiros




18/11/2016

Sessão poema - Parte XXVI [Coma-me... hoje, amanhã e depois de amanhã. Até me virar do avesso. Até curar esse desejo... se tiver curar.]

Arte: Thomas Saliot


Meu estado é sempre líquido.

Úmido de desejo.

Escorre pela vagina, imagine...

                                              e deságua no seu pau.

Um riacho que se torna lago.

Água doce...

É o sabor que sinto em lamber o suor que te escapa.

Nossos gemidos são música para meus ouvidos.

E os espasmos do gozo se tornam minha dança.

Entre roçar do clitóris em seus pelos.

Fiz-me mulher em sua cama.

Proclamei-me puta em sua boca.

Sua puta, sua santa.

Eternizando nossas histórias no corpo.

Só quem ama decifra às marcas.

Mordidas quentes, cortes intensos.

Minhas unhas encravadas em sua pele.

Seus dentes em mim.

Cada marca é amor...

                              amor obsceno.

Alimenta a carne e tranquiliza o ser.

Coma-me...

               hoje, amanhã e depois de amanhã.

Até me virar do avesso.

Até curar esse desejo...

                                  se tiver curar.

Particularmente, meu bem, eu morria disso.

De meter, sem temer eternamente.

Tais Medeiros.


16/11/2016

Eu poderia jurar que tudo mudou, mas me disseram um dia: - Quem jura mente. Então pensei em prometer, então disseram: - Quem promete não cumpre. Nesta guerra de ditos populares prefiro apenas viver e tentar não perder... [TEXTICULO 48]

- Você tem medo do que?

Medo de perder...

A cabeça, o amor, o respeito, o ar e as pessoas maravilhosas que conquistei pelo caminho. Perdi algumas, umas com razão outras talvez sem. Para falar a verdade acredito que tudo que perdi teve alguma ajuda minha. Não existe pessoa totalmente inocente, totalmente certa, totalmente errada, existem pessoas...

Cada uma em seu momento, cada uma passando por algo, com medo ou apenas desejando, desejando ser feliz. Felicidade é isso que nos torna seres comum, iguais. Estamos todos em busca disso, traçando caminhos tortos. Não justifica ter ações baixas para isso, porem, ás vezes as pessoas não sabem muito bem como percorrer esse caminho, todo dia somos um novo alguém.

Tenho medo de perder a vontade também... Vontade de conquistar novas pessoas, vontade de amar, vontade de dar a mim e a outro uma segunda chance de ser uma pessoa melhor. Medo de perder a vontade da vida, medo de julgar e de ser julgada. A segunda parte não depende de mim, posso ao menos lutar contra primeira.

Somos mais medos que coragem, pode listar rolos e rolos de papel falando sobre eles. Nada adiantaria, eles ainda estarão aqui. O que mais me amedronta é perder valiosas conversas, bobas ou de cunho intelectual, perder risos, abraços, companheirismo e lealdade perde um amor, perde um amigo, um amor amigo.

Já perdi muito... Consigo contar nos dedos as vitórias, mas elas não me consolam, lembro mais do que passou, de momentos em que coloquei tudo a perder. A única certeza é que nada foi feito por mau, apenas tive a ilusão de ser o certo.

Eu poderia jurar que tudo mudou, mas me disseram um dia:

- Quem jura mente.

Então pensei em prometer, então disseram:

- Quem promete não cumpre.

Nesta guerra de ditos populares prefiro apenas viver e tentar não perder. Por que é apenas isso que temos, TENTATIVAS e a esperança que tudo vai acabar bem.


Tais Medeiros. 


Toda vez que eu olho no espelho a minha cara
Eis que sou normal e isso é coisa rara

15/11/2016

Sessão poema - Parte XXV [Eu te sinto]

Arte: Thomas saliot



Eu te sinto...

Quando te toco;

Quando não toco;

Me entorpeço só de olhar.

Mesmo com meus olhos falhos...

Vejo sua beleza.

Até quando dorme...

Relaxada de pernas para ar.

Mas a beleza não está só nos olhos de quem vê.

Está nos olhos de quem sente.

Eu te sinto.

Dentro e fora.

Nos dias de ausência, ainda lhe vejo aqui.

Almejando os toques...
                               ás vozes...
Que matam essa saudade.


Tais Medeiros

08/11/2016

Quero sentir vontade de te queimar vivo, sufocar enquanto dorme, envenenar e enterrar no quintal. Quero sentir raiva de você e ficar na dúvida se ainda me quer. Sofre por coisas que crio na minha mente fértil ou por sofrimentos reais que a gente pode causar um para outro. Mas essa raiva passa quando você me abraça e diz: Já disse que você é linda? [TEXTICULO 47]

Arte: Tomas Saliot


Eu quero que saiba... Que desejo acordar do seu lado todos os dias. Ver sua cara amassada, beijar sua boca de ressaca com o primeiro hálito da manhã. Quero ouvir sua risada mais alta, seu choro mais baixo e seu ronco mais forte e te ouvir dizer: Amor, e melhor não entrar no banheiro agora... E nossos risos rasgam o silêncio do quarto.

Quero sua escova de dente junto a minha, sua cueca estendida no varal. Quero brigar pelo banheiro sujo, pela toalha molhada em cima da cama à bagunça do guarda roupa do quarto, brigar pela sua demora em chegar.

Implicar com os coraçõezinhos nas suas fotos do facebook. Criar caso por você ter tomado a ultima cerveja, fumado o ultimo cigarro, por não se lembrar do nosso dia, por me sentir feia e velha e por você às vezes ser infantil e egoísta. Depois de todo esse desgaste eu ponho a culpa dessa loucura na TPM e você fingi acreditar que eu não sou louca.

Quero sentir vontade de te queimar vivo, sufocar enquanto dorme, envenenar e enterrar no quintal. Quero sentir raiva de você e ficar na dúvida se ainda me quer. Sofre por coisas que crio na minha mente fértil ou por sofrimentos reais que a gente pode causar um para outro. Mas essa raiva passa quando você me abraça e diz: Já disse que você é linda?

Quero o seu ciúme, sua bagunça, seu ataque de raiva, suas brisas mais loucas, seus sonhos, suas inseguranças, suas certezas. Quero seu passado, presente e futuro, fazer planos com você. Quero até mesmo sua preguiça. Quero sentir ciúmes, tremer de gozo e beijar sua boca até sentir que nossas almas trocaram de corpos até transbordar toda essa efervescia que não cabe em mim.

Quero lavar sua roupa, tirar sua roupa e trepar todos os dia se possível, caso não seja, me aperta forte e dorme comigo em um contrato vitalício. Quero tudo...

Dividir a pipoca, as contas o tédio do domingo, reunião de família, os enterros, as datas capitalistas as perdas, as conquistas, as crises, guerra e paz. Serei seu melhor soldado nessa guerra.

Serei tudo que precisar. A santa, a puta, a mulher, a namorada, a amiga, a inimiga, a amante, a forte, a sensível, a sã, a louca. Quero olhar para você e sentir você. Ver você dormir e pousar meu descanso em você.

Quero seu mau humor e a sua piada mais sem graça. Quero sentir vontade de lhe compra discos de vinil e de arranha-los só para descontar a raiva que sei que você me fará passar um dia. Quero cantar parabéns para você todos os anos de sua existência, cuidar da sua tosse, afagar seus cabelos até branquear.

Quero te dar à mão, o ombro, as pernas, os peitos, meu intimo, meu ventre dar tudo, tudo que você consiga suportar. Quero seu tempero. Ver você cozinhar enquanto lavo louça e falamos sobre as mudas de manjericão no jardim o dia de trabalho e o preço da cerveja. Quero me embebedar sempre ao seu lado, dançando pelados pela casa como dois inconsequentes.

Quero brigas no bar, quero risos no bar e nossa música tocando em todos os momentos. Por que a vida também tem trilha sonora. Precisamos escolher a nossa.

Eu estou nessa masturbação poética para dizer que... QUERO VOCÊ!

E não será perfeito, mas será intenso, verdadeiro. Vamos pular a “burrocracia” nada de namoro, noivado vamos logo para... Até que o homicídio nos separe, amém.


Tais Medeiros

gosto do cheiro de gasolina
gosto também de naftalina
gosto do gosto da sua boca
do seu cigarro
a qualquer hora esse seu beijo ao meio dia
o sol rachando a qualquer hora
esse seu beijo ao meio dia
o sol rachando
o dia inteiro
de corpo inteiro
todo dia
o dia inteiro
de corpo inteiro
todo dia
esse seu cheiro de cigarro
esse seu gosto de bebida

02/11/2016

Sessão poema - Parte XXIV [Hoje, por quem você chora?💀DIA DOS FINADOS]

Eu não brindo aos mortos;
Brindo aos vivos.
Mas também não choro pelos mortos;
Choro pelos vivos.

Existe uma confusão de sensações sobre isso.
Há mortos que sinto tão vivos nas lembranças;
E vivos que morreram há tempos e não foram sepultados.
E nesse jogo de abrir e fechar a caixa de Pandora.
Prefiro deixar escorrer o dia.

Dia dos finados...
Um dia para chorar a morte.
Nos restando 364 para chorar a vida.
A falta consome a todos.

As perdas rasgam a alma.
Às vezes até quem partiu chora.
Seja vivo...
Seja morto...

                 [ mortos vivos.]

Hoje, por quem você chora?

Tais Medeiros.