08/08/2016

Eu poderia morar neste banheiro. Aqui tudo é tão calmo, a única tempestade que existe acontece dentro da privada quando a descarga é acionada e lá se vão tudo que oprime, dói e machuca. Mando a merda tudo que sou obrigada a digerir - A gente engole tanta coisa. [TEXTICULO 40]



Eu poderia morar neste banheiro. Aqui tudo é tão calmo, a única tempestade que existe acontece dentro da privada quando a descarga é acionada e lá se vão tudo que oprime, dói e machuca. Mando a merda tudo que sou obrigada a digerir - A gente engole tanta coisa.

Trabalhamos por dinheiro, status, reconhecimento, bens materiais. Ninguém quer viver do básico ou com o necessário, criasse sempre uma nova necessidade. E sempre tem aquele olhar no outro e o desejo de querer ter/ser melhor. Por este motivo o mundo se divide o famoso ditado: “Eu lhe quero bem, mas nunca melhor que eu”.

Eu realmente poderia morar neste banheiro. Depois de mandar a merda toda essa vida liquida que passa e a gente não sente pelo fato de estarmos gastando energia com mesquinharia, dando importância para coisas efêmeras: Amores rápidos, consumismo de matéria, toques frios, políticas individuais, discussões, lutando pela causa do “EU QUERO” separando grupo, muito “ISMO” e poucos seres humanos, transformando o mundo em campo de concentração uma guerrilha, pátria não gentil.

Um banho para tirar dessa carcaça todos os impasses do mundo, para ver se lava a pele, se lava a alma e liberta. Ver se acho em meio dessa usina nuclear chamado corpo e mente a cura para humanidade. Se o céu existir, ele deve ser um grande banheiro.

E eu aprecio o mundo através do vidro sujo da janela do meu banheiro e ele me engana, parece livre, mas nos aprisiona. Me pego pensando na desindividualização “A perca da autoconsciência” será esse o problema? E se fossemos mais empatia que apatia? Aprenderíamos a ouvir? Saberíamos falar? Conseguiríamos deixar o espírito vazio sem qualquer representação dessa realidade? Esse papo de harmonizar o consciente nos tornariam monges?

Eu não sei, são apenas pensamentos molhados no banho enquanto olho no espelho e lembro-me do meu tempo de menina que fantasiava o ano 2000 como o ápice do autoconhecimento.

Não seria a tecnologia e as armas que nos tornaríamos seres evoluídos, seria o não precisar de campanhas para respeitar o direito, opinião e opção do próximo, não precisar de guerras para alcançar a paz, não precisar ressuscitar o feminismo para garantir respeito e reconhecimento da mulher, não seria mais necessário doutrinas, mestres, representantes para nós guiar no caminho da civilização e não precisaríamos da religião para ensinar amar ou temer algo, não seria necessário dizer o que é crime: matar, roubar, perseguir, estuprar, escravizar.

Nada seria dito, pois tudo isso é do nosso conhecimento, nasceríamos repudiando todo ato de violência, todo ato de corrupção e tudo seria seguido sem interesse de redenção ou medo de punição, apenas seria de nossa natureza.

Esse era meu deslumbre de evolução do macaco para o primata, do primata para o homem e homem para a essência alcançando a felicidade que é a sua paz interior. Não é o ter, o ser, o poder é você em harmonia com o todo, com a natureza, com os homens e o universo.

Difícil? Sim! Porém quase ninguém tenta e os que tentam são subjugados, vistos como loucos querendo colher flores no lixão. Nenhuma evolução e fácil e tentar outro caminho que não seja o retrocesso à barbárie é valido.

Neste banheiro entre a privada, o chuveiro e o vidro sujo da janela. Entro em uma reflexão intima e anônima com a humanidade uma conversa com meu eu, buscando melhorar antes que o próximo meteoro chegue a terra. Afinal os Dinossauros foram extintos por muito menos. Já que não posso mudar o mundo e muito menos as pessoas, mudo o que está ao meu alcance e nada está mais próximo do que eu mesma.




Tais Medeiros.

É você olhar no espelho 
Se sentir um grandessíssimo idiota 
Saber que é humano, ridículo, limitado 
Que só usa dez por cento de sua cabeça animal 
E você ainda acredita que é um doutor, padre ou policial 
Que está contribuindo com sua parte 
Para nosso belo quadro social

Nenhum comentário: