18/04/2016

Sessão poema - Parte XIII [ODE PARA JULIETA]


Não escrevo cartas para julieta.
Apenas deixo acontecer o amor.
Não temo no que ele possa se tornar.
Interessa-me somente o momento.
De nada valer ficar a deslumbrar "Romeus".
Este sentimento requer alma, requer corpo, suor e choro
Já dizia o poeta:
"O amor é um desgraçado. E amores desgraçados sempre rendem boas histórias."
Nada dura para sempre.
O que é perfeito aos olhos dos apaixonados deve padecer.
Por que o perfeito não existe.
A perfeição é algo do mundo das ideias, mundo dos sonhos.
Preces em exagero para protetora dos corações aflitos.
Julieta de Verona.
Olhai por este coração.
Que não bate, dança...
Doando paixão a cada noite quente.
Aquecendo a cada crepúsculo gélido.
Esperando a ressaca do amanhecer.

Tais Medeiros

Nenhum comentário: