05/03/2016

Precisamos perder mais... Mais tempo, mais medo, mais a noção, ser um pouco mais debochados, loucos e acima de tudo amados. Amado por você pelo outro pelo próximo só vale amar. Amar no dia, na noite, na chuva até mesmo no temido abandono. Tente sempre amar, mesmo só você pode descobri seu gosto, triste daquele que nunca se tocou. Triste daquele que não rir até a barriga doer, não chora até soluçar, por que a dor sempre existiu e sempre existirá cabe você saber lhe dar.[ TEXTICULO 30]


Precisamos perder mais... Mais tempo, mais medo, mais a noção, ser um pouco mais debochados, loucos e acima de tudo amados. Amado por você pelo outro pelo próximo só vale amar.

Amar no dia, na noite, na chuva até mesmo no temido abandono. Tente sempre amar, mesmo só você pode descobri seu gosto, triste daquele que nunca se tocou. Triste daquele que não rir até a barriga doer, não chora até soluçar, por que a dor sempre existiu e sempre existirá cabe você saber lhe dar. O mundo é do jeito que você desejar ver, ao menos o seu mundo pode ser assim.

Precisamos de mais bebedeiras, doses de cantorias, uns goles de esquizofrenia. Precisamos perder mais o formal um pouco de moral. Não faz mal esquecer por um dia tudo isso que nos consome, afinal, ninguém é feliz todo dia muito menos infeliz 24 horas. Precisamos perde mais a razão, deixar de tanto intelectualismo de tanta disciplina. Diga pra você que hoje o cérebro terá folga e o coração é que vai mandar no corpo em sua alma.

Precisamos mais disso... De amor fora de hora e ações inexplicáveis de felicidade. Não fazendo mal a ninguém, que mal tem? Que mal tem perde o orgulho? Manda mensagens românticas ou eróticas. Esquecer o regime, academia e se joga linda e sem culpa no banquete da vida. Ir ao bar com quem se quer, falar besteira ri do mundo “bebemorando” os dias.

Bares não são muros de lamentações, campo de concentração muito menos prisão para rebelião. Que mal tem amar sem pecado, sem cuidado com demência e se iludir com o para vida inteira? Não a mal nenhum um dia de excesso, uma tarde de improviso uma bela noite de prazeres e corpos lascivos celebrando a vida.

Tais Medeiros.



Hoje eu quero que os boêmios gritem bem mais alto 
eu quero um carnaval no engarrafamento
e que dez mil estrelas vão riscando o céu
buscando a sua casa no amanhecer
Hoje eu vou fazer barulho pela madrugada
rasgar a noite escura como um lampião
eu vou fazer seresta na sua calçada
eu vou fazer misérias no seu coração

Nenhum comentário: