14/12/2015

Sessão Poema - Parte VI [ SOBRE O AMOR e outros rascunhos inacabados)

Eu que já perdi tudo.
Não tenho nada a reclamar.
Venha e adentre essa torre.
Leve os farrapos do ser.
Pertence a você os restos de mim.
E não vou resistir por que até o orgulho de outros tempos você me fez engolir.

...

O amor acordou e saiu.
Me deixou no lençol vazio a refletir...
Podia ao menos ter feito um café.

...

Eu não brinco de amar.
Me entrego;
Me rasgo;
Me embebedo;
Me jogo do precipício pensando saber voar.
Me restauro e volto a amar.
É o que sou...
É o que sei fazer...

...

Contando as horas.
Beija-me...
Abraça-me...
Provocando meu tesão.
Mão no intimo e olhos no portão.

...

É numa dessas noites loucas...
Que a gente se dar conta.
Não quer ser mais porto, quer ser marinheiro.



٩(●̮̮̃•̃)۶ - É nessa tortura psicológica que já não sei mais diferenciar o amor do masoquismo.


 
Tais Medeiros. 
Vou te contar
Os olhos já não podem ver
Coisas que só o coração pode entender
Fundamental é mesmo o amor
É impossível ser feliz sozinho

Nenhum comentário: