15/12/2015

Eu nada... Quem fez foi Marcos Aurélio. Ele a agarrou fortemente e a pós de joelhos e a fez chupa-lo com força até as lágrimas caírem. Queria sufocá-la com seu pau entre um vai e vem e outro ela ainda consiga sorrir. Chupava a cabeça do seu pau como se chupasse um pirulito, tinha prazer, gosto, nos seus olhos. Ela não demonstrava desaprovação, ele a queria, ele viu que a amava. [TEXTICULO 26]

Marcos Aurélio com seus 28 anos recém-completados era um cara envolvente, inteligente e de um charme considerado. Apesar de estar com a cara batendo na casa dos “quase 30” ainda se sentia como um adolescente de dezessete anos, energético e inconsequente. Admirador de álcool, fumo e entorpecentes passava os dias fazendo reuniões com os amigos vivendo de viagens psicodélicas.

Marcos Aurélio era conhecido entre suas amantes como o "Pau de suas vidas" pelo grande apetite sexual que o rapaz manterá. O apetite de um garoto de 17 anos junto com a experiência de um homem de quase 30 era assim que elas o definiam.

As garotas que passavam pelo seu colchão de mola, sempre voltavam, desejavam salvar Marcos Aurélio daquela vida desregrada que um dia ia matá-lo. Almejavam ser importantes em sua vida ter o seu amor, porém Marcos Aurélio não queria salvação queria perdição o desequilíbrio o completava. Não lhe interessa amor interessava somente a carne.

- O que eu quero dessa vida? Bebida e sexo até o pau afinar se caso isso for possível...

Ingrid era uma mulher independente, não essas fanáticas feministas, mas se permitia a quase tudo na vida. Procurava um amor, apesar que a ultima tentativa tornou se em quatro anos jogados no fundo do poço. Resolveu não priorizar príncipes encantados os marginais alados talvez fossem a opção, relacionamentos casuais, sem pressão tudo ao seu tempo. Havia tempo que não se encontrava sozinha.

- Focar na minha carreira e seguir em frente, recuperar os quatro anos de castração sexual e psicológica. Voltar a sentir meu gosto o amor agora é de dentro pra fora.

Em uma festa que Marcos Aurélio promovia regada a cerveja, maconha e Planet Hemp, Ingrid apareceu. O mundo é um encontrar e desencontrar incessante. Marcos Aurélio e Ingrid eram quase vizinhos, tinham quase os mesmos amigos, porem até os 28 anos de Marcos Aurélio nunca tinham se visto. O destino conspirava, era quase uma história de amor.

- Não sei por que você se refere a você em terceira pessoa? Esqueceu que aqui é uma delegacia, eu sou um delegado e você está prestando um depoimento? Francamente.
- Calma delegado Simão. Meu cliente ainda está em choque. Ele quer cooperar ele vai cooperar.

- Muito bem pensado senhora Fátima... Criar essa cena de perturbação já no levantamento dos fatos. Alegar insanidade é a saída?

- Não pode acusar meu cliente sem provas delegado Simão. 

- É preciso?! Uma pessoa que se apresenta na delegacia com uma advogada está mais que confessando, mas vamos... O que esse verme tem a dizer?

Marco Aurélio e Ingrid, fogo ao primeiro toque das mãos, em menos de uma hora já estavam pelados em seu quarto. Beijos, lambidas, mordidas... Ela gemia a cada metida em sua buceta molhada e pedia mais. Olhava-o com a cara mais safada do mundo mesmo quando Marcos Aurélio batia em sua cara com a mão ou seu pau. Levava as mãos ao seu pescoço e o pressionava lentamente até lhe falta o ar... Ela sorria.

Era tudo que Marcos Aurélio queria uma mulher boa na cama e fora de sua vida. Ingrid sabia que esse relacionamento não passaria do quarto e que os seus diálogos não passariam de boquetes. Viam se com frequência para transar, poucas palavras trocadas e nessas poucas palavras Ingrid sentia necessidade de se aproximar, afinal ele agora era "O pau de sua vida".

Ao contrário de antes Ingrid resolveu não dar o primeiro passo para uma relação estável estava cansada de consertar brinquedos tortos e eles irem para novos donos.

- Não é que eu não queira... Eu quero e muito, mas tem esse lance de reciprocidade. Se não tem, não existe.

Marcos Aurélio continuou sua vida de vagar mundo, Ingrid também atendendo aos chamados do seu novo e louco amor, não se privava de conhecer outros homens. Foi em uma dessas noites que Marcos Aurélio “ O PAU DA VIDA” de muitas, resolveu não ver Ingrid e ela nada questionou.

Marcos Aurélio sabia que atrás daquela pouse de “NÃO ME IMPORTO”... Ingrid rachava por dentro, até aquele momento ele acreditava piamente nisso, nesse domínio, nesse seu amor. Porem sua certeza foi abalada ao vê-la linda e sexy ao lado de outro. Ele sentiu as pernas bambas, sentiu-se pequeno... Pau de ninguém, muito menos dele mesmo. Ao ver aquela boca que o chupará loucamente sendo acariciada por outro, aqueles seios que ele lambeu, mordeu, chupou sendo tocado por outro. Isso tudo o deixou absorto. Não se sentiu mais importante, amado ou único.

Sem mais apetite para as baladas sem limites, Marcos Aurélio voltou para casa, expulsou todos os condenados do seu covil e entre um drink e outro, um pino e outro ficou a dissecar. Resolveu ligar para sua pequena, testar o quando dele ainda tinha sobre ela.

Pediu que ela fosse vê-lo, ela sem questionar apareceu. Marcos Aurélio inerte contemplava a chegada dela ao seu covil. Covil! Esse é o nome, onde as cobras se criam guarida de malfeitores.

- Será que ela o abandonou para me ver? Quando liguei será que eles já tinham terminado de foder?

- Marcos Aurélio. Desculpe-me interromper, mas acredito que seja melhor ir direto aos fatos, muitos detalhes desnecessários.

- Por favor, senhora Fátima! Não interrompa. Acho que chegamos... Como se diz? No clímax da história. Então Marcos Aurélio o que fez depois de pensar aquilo sobre Ingrid?

- Eu nada... Quem fez foi Marcos Aurélio. Ele a agarrou fortemente e a pós de joelhos e a fez chupa-lo com força até as lágrimas caírem. Queria sufocá-la com seu pau entre um vai e vem e outro ela ainda consiga sorrir. Chupava a cabeça do seu pau como se chupasse um pirulito, tinha prazer, gosto, nos seus olhos. Ela não demonstrava desaprovação, ele a queria, ele viu que a amava.

Ele chupou sua buceta até sentir o seu gosto escorrer e quando já não aguentava mais seu pau duro a penetrou com força, a beijou até arrancar sangue de seus lábios e depois com suas mãos firmes foi pressionando seu pescoço lentamente e ao pé do seu ouvido disse...

- De quem é seu coração?

Ingrid com a voz falhando, mas sempre com sorriso safado na face

- Você quer meu coração Marcos Aurélio?

- De quem é seu coração?

- Seu...
Na explosão do gozo e da alegria de ouvir aquela palavra, Marcos Aurélio a estrangulou completamente. Seus olhos sem vida e seus doces lábios com o mesmo sorriso devasso a sorrir pra mim, voltados para mim.

- Meu Deus Marcos Aurélio!!!

- Não sou Marcos Aurélio, sou o narrador... Apenas o narrador.

- Foi por estrangulamento a morte e por que a retalhação?

- Ele só pegou o que era dele. Era de Marcos Aurélio o coração dela.




Tais Medeiros

Se te agarro com outro
Te mato!
Te mando algumas flores
E depois escapo...

Nenhum comentário: