08/06/2015

Amor Platônico Literário [TEXTICULO 13]


Já se apaixonou por meras palavras, mas não por palavras ditas, mas por palavras escritas por pessoas que você sequer conhece? Estranho é pouco talvez seja o cúmulo, o apogeu da loucura. Apaixonar - se por alguém que você nunca viu, nunca tocou apenas leu. Enganar-se com linhas irônicas ou sarcásticas, apreciar uma face borrada, uma foto sem foco e ainda sentir-se cúmplice dos momentos vividos, criados pela pessoa oculta nos textos.

Amor platônico, será que cabe aqui? Já não sei, pois você ama alguém, se contenta em vê-la, admirá-la nada consumado.

O que será isso? Devaneios, apenas isso? Não é possível que pelo fato de você se identificar e emocionar com certo texto, certo escritor e sua obra libertina, desregrada, quer dizer que está apaixonada... Tinha que no mínimo haver um contato, um toque ao menos um olhar.

Não... Ninguém se apaixona por outra pessoa através de textos. As pessoas já têm dificuldades em serem elas frente a frente imagine atrás do papel, letras, pontos e vírgulas. Por mais estranho que possa parecer, eu me  apaixonei por textos e por um estereótipo de escritor no estilo falido, alcoólatra e talvez romântico. Apaixonado por algo, porém decepcionado. Usa da ironia e do humor negro para esconder talvez uma ferida que não cicatriza por mais que ele se entorpeça. Representa um rebelde, escreve sobre a vida que tem ou queria ter.

Complexa esse tipo de paixão, pelo menos nisso ela não se faz diferente já que se apaixonar, amar é sempre complexo. Corremos os mesmos riscos, criar castelos, histórias e não ter um final feliz. Esperar o príncipe ou o demônio daqueles textos que despertou essa paixão. Ficar imaginando aquele ser recheado de sentimentos e depois acordar sabendo que como toda boa história são apenas palavras, versos e prosas. Melhor continuar com esse amor platônico literário nos textos ele é perfeito pra mim.


Tais Medeiros.
Noite e dia se completam
O nosso amor e ódio eterno
Eu te imagino, eu te conserto
Eu faço a cena que eu quiser
Eu tiro a roupa pra você
Minha maior ficção de amor
Eu te recriei só pro meu prazer
Só pro meu prazer

Nenhum comentário: